Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Google+
Share on LinkedIn
+

Hoje compartilho com vocês ‘Acqua Velva Cowboy’ (um trecho), poema de Marilena Moraes que passeou no incendiado Museu da Língua Portuguesa.

Acqua Velva Cowboy

com raiva, da pia tirei
pente, gilete, pincel e
joguei tudo lixeira abaixo,
depois de te botar porta afora.

agora que tudo acabou, quero
serenar minha loucura,
beber a acqua velva sem gelo
azul, linda, cor de curaçau.

— Marilena Moraes —

miriam-mambrini-poema-marilena-moraes

Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Google+
Share on LinkedIn
+

Author Miriam Mambrini

Miriam Mambrini é carioca e formada em Letras. Seu primeiro livro de contos, O Baile Das Feias, foi publicado em 1994. Nesse livro e no que se seguiu, Grandes Peixes Vorazes, incluiu contos premiados em vários concursos. Escreveu os romances A Outra Metade, atualmente em segunda edição, As Pedras Não Morrem E O Crime Mais Cruel, os dois últimos adquiridos pelo PNDE do Ministério da Educação. As crônicas de Maria Quitéria, 32 falam de sua vida de menina em Ipanema, o bairro onde nasceu e sempre viveu. Publicou ainda, em livro e audiolivro, Vícios Ocultos, contos, e Ninguém É Feliz No Paraíso, romance. Seus contos foram incluídos em várias antologias, entre as quais 30 Mulheres Que Estão Fazendo A Literatura Brasileira Hoje, seleção de Luiz Ruffato (Record) e Contos De Escritoras Brasileiras (Martins Fontes). Faz parte do grupo Estilingues, que publica antologias de contos fora do circuito comercial. Colaborou, com contos e artigos, em jornais e revistas, nacionais e estrangeiras, entre as quais a italiana Sagarana, a inglesa Litro, a espanhola 2384 e a brasileira Pessoa.

More posts by Miriam Mambrini

Leave a Reply