Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Google+
Share on LinkedIn
+

RAIO-X

Magra. Magreza de radiografia, ossos empilhados em esqueleto de aula de ciências. Elegantérrima. Reluzentes dourados enfeitando orelhas e pulsos. Esposa de magnata das finanças, lamentavelmente gordo, barriga despencando em grossa prega sobre o cinto.

Na luzidia cozinha do apartamento, à noite gemia a geladeira duplex, tão vazia quanto o estômago da mulher. Solitária  na cama – o marido se cevava em mesas mais fartas – ouviu as entranhas roncarem em uníssono com a geladeira e se lembrou do que esta continha:  uma alface e duas laranjas.

O pé encontrou o chinelo e dirigiu-se à cozinha, levando as canelas descarnadas e o esbeltíssimo corpo – cabide perfeito para sedas e tafetás.

Estendeu a mão e do ventre gelado extraiu uma – uma só , duas seria exagero – laranja murcha, que com cuidado descascou e cortou em pequenos gomos.

Encontrou, ao primeiro pedaço, o sabor de uma lagosta au grattin degustada em tempos menos esbeltos; seguiram-se codornas recheadas, suflês, musses, tortas, licores.

Suspirando, mastigou os magros gomos da laranja, talhos das delícias proibidas. De súbito, invadiu-a a assustadora suspeita de que estava inflando, inflando, nádegas, barriga, coxas, seios a se estufarem como balões de gás.

Quase sem fôlego, chegou ao banheiro. No grande espelho, a certeza do corpo esquálido a fez sorrir, aliviada.

Voltou para a cama vazia e sonhou com um fulgurante vestido de noite que, no dia seguinte, mandou fazer.

Miriam Mambrini

Share on Facebook
Share on Twitter
Share on Google+
Share on LinkedIn
+
DATAS
Next Post

Author Miriam Mambrini

Miriam Mambrini é carioca e formada em Letras. Seu primeiro livro de contos, O Baile Das Feias, foi publicado em 1994. Nesse livro e no que se seguiu, Grandes Peixes Vorazes, incluiu contos premiados em vários concursos. Escreveu os romances A Outra Metade, atualmente em segunda edição, As Pedras Não Morrem E O Crime Mais Cruel, os dois últimos adquiridos pelo PNDE do Ministério da Educação. As crônicas de Maria Quitéria, 32 falam de sua vida de menina em Ipanema, o bairro onde nasceu e sempre viveu. Publicou ainda, em livro e audiolivro, Vícios Ocultos, contos, e Ninguém É Feliz No Paraíso, romance. Seus contos foram incluídos em várias antologias, entre as quais 30 Mulheres Que Estão Fazendo A Literatura Brasileira Hoje, seleção de Luiz Ruffato (Record) e Contos De Escritoras Brasileiras (Martins Fontes). Faz parte do grupo Estilingues, que publica antologias de contos fora do circuito comercial. Colaborou, com contos e artigos, em jornais e revistas, nacionais e estrangeiras, entre as quais a italiana Sagarana, a inglesa Litro, a espanhola 2384 e a brasileira Pessoa.

More posts by Miriam Mambrini

Leave a Reply